Tags

, , , ,

Parece que pelo menos uma vez por mês eu recebo um email de um membro de igreja — não um pastor — perguntando como ele pode mudar sua igreja. Não “mudar” no sentido de imprimir os boletins em um papel diferente, mas no sentido de reformular a estrutura de liderança da igreja e as práticas de membresia. Deve essa pessoa dar ao pastor alguns livros? Convocar uma reunião? Começar um grupo de estudo?

Se você está nesta situação, o que você pode fazer? Como você pode mudar sua igreja quando você não é o pastor?

A resposta curta é: você não pode. Se você não é o pastor, você não pode mudar sua igreja. De verdade. É sério. Sem retratação de surpresa esperando de sobreaviso.

Agora, eu sou congregacional, então é claro que eu creio que a igreja pode — e deve — demitir seu pastor se ele começa a ir aonde a Bíblia não vai. O pastor não tem a autoridade final; a congregação como um todo tem.

Mas à parte dessas vezes excepcionais, se você não é a pessoa que está formalmente encarregada de pregar a Palavra e liderar a igreja, então você não pode mudar sua igreja de nenhuma maneira fundamental. Isso se aplica quase de maneira igual a um pastor que não é o pregador primário da igreja. (Estou me referindo primariamente a “o pastor” uma vez que a maioria das igrejas possui apenas um.)

Por que você não pode mudar sua igreja — ou seu pastor

Por que você não pode mudar sua igreja se você não é o pastor? Eis aqui quatro razões.

1. A Palavra Causa Mudança

A Palavra de Deus é o que vivifica, concede poder, ilumina, e transforma o povo de Deus. A Palavra de Deus é o que causa mudança na igreja. Isso se aplica tanto para práticas de adoração e estrutura de liderança quanto para santidade pessoal.

Portanto, a pregação que toda a igreja ouve semanalmente é a força mais importante moldando a igreja. O púlpito é a fonte de mudança. Se você não é responsável pelo púlpito, você simplesmente não pode conduzir uma mudança que afetará toda a igreja.

2. Influência, Ofício, e o Ministério da Palavra

Deus ordenou que as igrejas se submetam — confiem, sigam — seus presbíteros (Hebreus 13:17; 1 Pedro 5:5). Através de seu ensinamento e caráter piedoso, os presbíteros devem servir de exemplo ao rebanho (1 Pedro 5:3). Sua fiel exposição bíblica e suas vidas piedosas e transparentes devem multiplicar sua influência e autoridade na igreja.

Em outras palavras, quando o Espírito Santo nomeia presbíteros em uma igreja (Atos 20:28), é como se ele os colocasse em um palco diante da igreja, acendesse um refletor sobre eles, e dissesse: “Sigam estes homens!”. Então, se você não é um desses homens, por que a igreja seguiria você?

Mais do que isso, se você está tentando conduzir a igreja em uma direção diferente do que seus líderes nomeados querem levá-la, por que a igreja deveria confiar em você ao invés de seus próprios presbíteros? Neste caso você está trabalhando em oposição à natureza de como Deus deseja que a igreja seja guiada. Você está se intrometendo na maneira que Deus estabeleceu para direcionar seu povo.

Esse tipo de reforma intrometida é de alguma maneira justificável? Claro. Mas não se apresse ao invocar Lutero.

Ao invés disso, reconheça como Deus uniu o ofício de presbítero (pastor), o ministério da Palavra, e a influência pastoral. Se você está tentando liderar uma igreja a uma direção que seus próprios presbíteros não querem ir, isso provavelmente não é reforma, mas desejo de divisão.

3. Você Não Pode Ensinar a um Velho Pastor Novos Truques

Terceiro, você não pode ensinar a um velho pastor novos truques.

É claro que um homem piedoso e humilde continuará a crescer e aprender. E de vez em quando, um pastor experiente passará por uma transformação filosófica. Mas a visão da maioria dos pastores em sobre assuntos como pregação, liderança e estrutura eclesiástica não estão disponíveis para qualquer um questionar. E se a posição do pastor não vai mudar, a igreja não vai mudar.

Isso é frequentemente uma função dos limites da imaginação pastoral. Se um pastor batista ouviu apenas presbiterianos chamarem os líderes eclesiásticos de “presbíteros”, você provavelmente não conseguirá convencê-lo de que isso é bíblico. Ele simplesmente não pode imaginar que isto está certo. E se um pastor nunca foi parte de uma igreja que levava membresia a sério, então “limpar o rol” parecerá tão sábio quanto golpear um vespeiro — só dor, nenhum ganho. Ele não consegue visualizar o objetivo no lado oposto da bagunça, e então ele não é compelido a dirigir através da bagunça para chegar lá.

Muitos pastores lideram o ministério da única maneira que eles conhecem. É a única maneira que eles foram treinados, a única maneira que eles viram modelada, a única maneira que eles confiam. Então, em geral, você não pode mudar seu pastor.

4. Absalão ao Portão

Por último, vamos dizer que após desistir de tentar mudar o pastor, você ainda tente mudar sua igreja a partir de seu lugar no banco. Qual será a colheita?

Eu diria que o que quer que você faça irá quase inevitavelmente ter um efeito duplo: em alguma medida você irá enfraquecer os líderes e dividir a igreja.

Vamos dizer que você seja muito amado na igreja e é, informalmente, um líder influente. Se as pessoas começam a unirem-se a você e suas ideias, isso irá debilitar a confiança, a afeição e a lealdade ao(s) pastor(es) delas. Você será Absalão ao portão, ganhando os corações do povo e afastando-os de seu pai Davi. Independentemente dos méritos supostamente justos de sua causa, você estará enfraquecendo o(s) homem(ns) que o Espírito Santo nomeou para pastorear o corpo.

E você irá dividir a igreja. Uma vez que concordar com você é discordar do pastor, você não deixará outra escolha para as pessoas senão dividirem-se em duas facções. Ao invés de reformar a igreja, você estará encubando uma divisão de igreja.

Exceções? Próximos passos? Próximos três artigos

Existem exceções a isto? É claro que há, apesar da maioria fazer parte da regra.

E se você é um membro de uma igreja que precisa urgentemente de reforma, há alguma coisa que você possa fazer para ajudá-la a andar na direção certa, mesmo não sendo pastor? É claro que há. Eu estou dizendo que você não pode virar o barco 180 graus. Não estou dizendo que você não pode trabalhar por uma mudança menor e gradativa ou tentar gentilmente influenciar seu pastor.

Eu abordarei estes pontos, se for da vontade do Senhor, em mais três artigos nas semanas seguintes.

Por agora, apenas abaixe a arma de reforma eclesiástica, afaste-se lentamente, e ninguém se machuca. E então vá agradecer a Deus por sua igreja, ainda que ela precise de reforma, assim como eu e você precisamos.

Continua no próximo post.

*************

Por Bobby Jamieson. Copyright © 2012 9Marks. Website: 9marks.org.

Original: Why You Can’t Change Your Church (Part 1 of 4).

Tradução: voltemosaoevangelho.com

Anúncios